“Não se Sustenta” chama atenção em Ipanema

Foto de Alessandro Buzas

“Não se Sustenta” chama atenção em Ipanema

Milhares de pessoas foram à Praia de Ipanema, na Zona Sul do Rio, no dia 17 de junho, por uma manifestação contra todos os tipos de preconceitos e perseguições. Denominado de “Não se Sustenta”, a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) convocou toda a sociedade ao protesto, que teve início às 11h.Além de vários segmentos religiosos, grupos que defendem os direitos das pessoas homossexuais, integrantes do Movimento Negro, defesa da mulher, entre outros juntaram-se pedindo fim a qualquer tipo de intolerância. O manifesto teve a intenção de chamar a atenção dos vários chefes de estados que estão na Cidade Maravilhosa por conta da Rio+20. Na ocasião, muitos manifestantes protestaram contra o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Marcelo Itagiba e a vereadora Teresa Bergher participaram do evento.

Para o interlocutor da Comissão, babalawo Ivanir dos Santos, o momento da Rio+20 foi propício pelo fato de alguns países não entenderem a verdadeira democracia e a importância da liberdade de expressão. “Há judeus, bahá’ís, muçulmanos, cristãos perseguidos em diferentes lugares de todo o mundo. O Brasil é um País repleto de diversidade e, por isso, a Comissão organiza, anualmente, as caminhadas em Defesa da Liberdade Religiosa. Queremos que as diferenças sejam respeitadas e que se entenda que é na diferença que o crescimento ocorre”, declarou.

Quatro árvores secas, feitas de material reciclado, simbolizavam a passeata. “Desrespeito aos Direitos Humanos não se sustenta”, dizia um cartaz colado às árvores. Segundo o criador do material cenográfico, Leonardo Zonenschein, a ideia era simbolizar a falta de respeito com os Direitos Humanos.

Michel Gherman, um dos membros da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa e da entidade judaica Hillel, alternava seus pedidos de paz ao mundo com os batuques do bloco do AfroReggae. “Vamos dizer não ao discurso do ódio! Negar o Holocausto é como negar a escravidão no Brasil. Viva os judeus, os candomblecistas, os umbandistas. Viva os homossexuais!”

Para o secretário Nacional do Movimento LGBT Socialista, Luciano Freitas, a passeata em plena Conferência da Rio+20 é uma oportunidade ímpar para chamar a atenção e se manifestar contra a intolerância que predomina em determinados países. “Considero que o desenvolvimento social e sustentável não pode passar desapercebido frente aos Direitos Humanos. Por isso, estamos presentes nesta marcha para reivindicar políticas mais eficazes ao segmento LGBT no Brasil”.

Todo o percurso do Posto 8 ao 9 se deu de forma pacífica e com acompanhamento de policiais militares.

Deixe um comentário

Voc deve estar logged in para deixar um comentrio.