Muçulmanas são vítimas de agressões nas ruas do Rio

Rio – A empresária Zahrah Carolina Bravo, 33 anos, chega à Sociedade Islâmica da Baixada Fluminense para fazer uma das cinco orações praticadas por muçulmanos ao longo do dia, conforme manda a tradição. Porém, antes de cumprir o protocolo de se inclinar em direção a Meca — cidade na Arábia Saudita, considerada sagrada e alvo de peregrinação dos adeptos da religião — ela tira da bolsa o véu que deveria ser usado durante o dia, mas que passou a ser evitado em público desde segunda-feira passada.

Foi quando, numa caminhada por Nova Iguaçu, recebeu uma cusparada no rosto e acusações de práticas terroristas devido à vestimenta, associada erroneamente a ações de grupos extremistas do Oriente Médio. Foi um episódio de intolerância considerado “leve” por ela e outras muçulmanas radicadas no Rio, estado conhecido pela pluralidade mas que, de acordo com as religiosas, vive onda crescente de “islamofobia”. Identificadas pelas roupas, as mulheres são alvos preferenciais de injúrias e agressões.
‘As pessoas não entendem que os episódios terroristas não refletem o Islã, mas sim disputas políticas’, Zahrah Carolina Bravo, 33 anos
Foto: Márcio Mercante / Agência O Dia

 

Leia conteúdo completo AQUI.

Deixe um comentário

Voc deve estar logged in para deixar um comentrio.