Prêmio ODM lota auditório da ABI

 

Mais de 400 pessoas lotaram o auditório da Associação Brasileira de Imprensa (ABI). Jornalistas, autoridades, líderes religiosos e personalidades do meio artístico compunham o público da quarta edição do Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Brasil (ODM Brasil), que tem como parceiros o Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES, Banco do Nordeste e Petrobras. O prêmio ODM foi instituído pelo Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). A iniciativa busca estimular ações e projetos que ajudem o País a cumprir esses objetivos. A cerimônia foi aberta pela atriz Jane de Castro, que foi convidada a interpretar o Hino Nacional.

Ao lado do interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, babalawo Ivanir dos Santos, o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, representou todos os líderes religiosos e fez uma bela intervenção. “Creio que mais de 90% dos brasileiros tenham religião e participam da sociedade civil. Juntamente com os trabalhos sociais, se preocupam em atingir as oito metas. De alguma forma, é parecido com o que as religiões pregam, que é a solidariedade fraterna. A criação do prêmio estimula o cumprimento do desafio proposto pela ONU, pois é uma forma de todos adquirirem consciência de que são importantes. Merece muitos aplausos essa iniciativa”, elogiou.
O arcebispo finalizou mencionando uma frase de São Francisco de Assis. “Que sejamos instrumentos de uma nova humanidade.”

O secretário geral da República, ministro Gilberto Carvalho, falou em vídeo da meta principal do governo de Dilma Rousseff. “O objetivo da presidente é chegar ao ano de 2014 e ter erradicado toda a miséria do País. Nenhum brasileiro estará vivendo abaixo da linha da miséria, e todos terão sua dignidade assegurada. Cada um precisa ser o protagonista de sua história.”

O ator Marcos Frota discursou sobre cidadania e contou sobre a alegria que tem em poder contribuir para o desenvolvimento do Brasil, levando a cultura do circo às crianças. Ao fim, desejou compaixão entre todos e agradeceu o convite. O rapper MV Bill, idealizador do projeto Central Única de Favelas (Cufa), se mostrou surpreso com uma plateia tão plural e manifestou o desejo de união entre as pessoas, justificando que o pensamento positivo poderá mudar o Rio de Janeiro.

A gerente de Orientação e Práticas de Responsabilidade Social da Petrobras, Suer Wolter, concorda que as ODMs proporcionam uma grande oportunidade de avanço e crescimento. “A Petrobras acredita na política de direitos humanos. Não visamos apenas a 2014, mas, sim, muito além. O nosso foco é trabalhar a autonomia das comunidades, a fim de estabelecer uma unidade entre todos. A participação da sociedade é imprescindível na otimização desses projetos”.

 


 

Comissão de Combate à Intolerância Religiosa
Comunicação CCIR/RJ

Deixe um comentário

Voc deve estar logged in para deixar um comentrio.