Sim à espiritualidade e não a religiões

Por Jânio Alcântara

O jovem Pastor Ed Renè Kivitz lançando um de seus livros

 

 

Sim à espiritualidade e não a religiões

Sim à espiritualidade e não a religiões

Parece mentira, mas foi verdade. No dia 01 de abril de 2010, o elenco do Santos – atual campeão paulista de futebol – foi a uma instituição que abriga 34 pessoas. O objetivo era distribuir ovos de Páscoa para crianças e adolescentes, a maioria com paralisia cerebral.

Ocorreu que boa parte dos atletas não saiu do ônibus que os levou. Entre estes, Robinho, Neymar, Ganso, Fábio Costa, Durval, Léo, Marquinhos e André, todos ídolos superaguardados.

O motivo teria sido religioso: a instituição era o Lar Espírita Mensageiros da Luz, de Santos-SP, cujo lema é “Assistência à Paralisia Cerebral“.

Visivelmente constrangido, o técnico Dorival Jr. tentou convencer o grupo a participar da ação de caridade. Posteriormente, o Santos informou que os jogadores não entraram no local simplesmente porque não quiseram.

Dentro da instituição, os outros jogadores participaram da doação dos 600 ovos. Entre eles, Felipe, Edu Dracena, Arouca, Pará  e Wesley, que conversaram e brincaram com as crianças.

Eis que o escritor, conferencista e Pastor (com “P” maiúsculo) ED RENÉ KIVITZ, da Igreja Batista de Água Branca (São Paulo), fez uma análise profunda sobre o ocorrido e escreveu o texto “No Brasil, futebol é religião”, que, abaixo, tenho o prazer de compartilhar.

“No Brasil, futebol é religião” – por Ed Renè Kivitz

Os meninos da Vila pisaram na bola. Mas prefiro sair em sua defesa. Eles não erraram sozinhos. Fizeram a cabeça deles. O mundo religioso é mestre em fazer a cabeça dos outros. Por isso, cada vez mais, me convenço que o Cristianismo implica a superação da religião, e, cada vez mais, me dedico a pensar nas categorias da espiritualidade, em detrimento das categorias da religião.

A religião está baseada nos ritos, dogmas e credos, tabus e códigos morais de cada tradição de fé.

A espiritualidade está fundamentada nos conteúdos universais de todas e cada uma das tradições de fé.

Quando você começa a discutir quem vai para o céu e quem vai para o inferno; ou se Deus é a favor ou contra à prática do homossexualismo; ou mesmo se você tem que subir uma escada de joelhos ou dar o dízimo na igreja para alcançar o favor de Deus, você está discutindo religião. Quando você começa a discutir se o correto é a reencarnação ou a ressurreição, a teoria de Darwin ou a narrativa do Gênesis, e se o livro certo é a Bíblia ou o Corão, você está discutindo religião. Quando você fica perguntando se a instituição social é espírita kardecista, evangélica ou católica, você está discutindo religião.

O problema é que, toda vez que você discute religião, você afasta as pessoas umas das outras, promove o sectarismo e a intolerância. A religião coloca, de um lado, os adoradores de Allá. De outro, os adoradores de Yahweh, e, de outro, os adoradores de Jesus. Isso sem falar nos adoradores de Shiva, de Krishna e devotos do Buda. E por aí vai.

E cada grupo de adoradores deseja a extinção dos outros, ou pela conversão à sua religião, o que faz com que os outros deixem de existir enquanto outros e se tornem iguais a nós, ou pelo extermínio através do assassinato em nome de Deus, ou melhor, em nome de um deus, com ‘d’ minúsculo. Isto é: um ídolo que pretende se passar por Deus.

Mas, quando você concentra sua atenção e ação, sua práxis, em valores como reconciliação, perdão, misericórdia, compaixão, solidariedade, amor e caridade, você está no horizonte da espiritualidade, comum a todas as tradições religiosas.

E, quando você está com o coração cheio de espiritualidade, e não de religião, você promove a justiça e a paz.

Os valores espirituais agregam pessoas, aproxima os diferentes, faz com que os discordantes no mundo das crenças se deem as mãos no mundo da busca de superação do sofrimento humano, que a todos nós humilha e iguala, independentemente de raça, gênero, e inclusive religião.

Em síntese, quando você vive no mundo da religião, você fica no ônibus. Quando

você vive no mundo da espiritualidade que a sua religião ensina – ou pelo menos deveria ensinar, você desce do ônibus e dá um ovo de páscoa para uma criança que sofre a tragédia e miséria de uma paralisia mental.

 

*Ed René Kivitz, cristão, pastor evangélico e santista desde pequenininho.

FONTE: VERDE NOVO

Deixe um comentário

Voc deve estar logged in para deixar um comentrio.